Mindfulness e Psicologia Positiva
Escrito por Fábio Munhoz   

Mindfulness

A meditação Mindfulness é também denominada de “atenção plena” e envolve práticas como a observação imparcial no momento presente de seus pensamentos e emoções, sempre com uma atitude de serenidade, curiosidade, abertura e aceitação.

As origens desta prática está no Budismo, onde se aprende a estar mais consciente,  com atenção e aceitação das emoções, pensamentos e sensações que ocorrem no momento presente, sem nenhum julgamento.

O Professor Jon Kabat-Zinn, da University of Massachusetts Medical School, foi o pioneiro na uso científico das técnicas de mindfulness, inicialmente em um programa para redução do estresse. Ele define Mindfulness como "prestar atenção intencionalmente no momento presente, com aceitação e sem nenhum julgamento para com o desenrolar da experiência”.

Mindfulness-Based Stress Reduction

Trata-se de um programa para reduzir o stress com base na prática de mindfulness, inicialmente projetado para auxiliar as pessoas com dor. Foi desenvolvido por Jon Kabat-Zinn, na Universidade de Massachusetts Medical center e utiliza uma combinação de meditação mindfulness, consciência corporal e yoga e para ajudar as pessoas a se tornarem mais presentes e conscientes.

Mindfulness e psicologia positiva

Práticas Mindfulness ajudam as pessoas a lidar melhor com as emoções e a se concentrar no que as tornam mais felizes. As práticas de Mindfulness aumentam o nível do bem-estar geral e de felicidadede. A psicologia positiva tem gerado estudos focados no bem estar, para Martim Seligman os níveis de felicidade e bem estar  podem ser incrementados intencionalmente.

Algumas forças do VIA estão diretamente relacionadas à prática de Mindfulness. Podemos dizer que ao focar a atenção no momento, na respiração por exemplo, existe uma dose intrínseca de auto-controle. Outra força também presente na base da prártica Mindfulness é a curiosidade, ou seja, o interesse pela novidade de cada momento, assim como uma abertura para a experiência.

Um dos principais mecanismos pelo qual a prática mindfulness aprimora o autocontrole é criando uma separação entre o eu (ego, auto-estima e auto-conceito) e os eventos, emoções e experiências. As práticas baseadas em Mindfulness visam treinar os indivíduos a observar os estímulos internos e externos objetivamente, sem julgar, criando o que podemos denominar de metacognição.

O treinamento envolve perceber, observar e nomear estímulos sem avaliar ou atribuir significado a eles, o que leva os indivíduos a criarem uma distância entre si (autoconceito e auto-estima) e os seus pensamentos, emoções e experiências. Neste processo os pensamentos são vistos como eventos na mente, em vez de serem necessariamente reflexos da realidade ou de uma visão precisa.

Práticas de Mindfulness

Existem as práticas formais, por exemplo, sentar e reservar alguns mnutos para meditar ou as práticas grupais. Existe também a prática informal, como estar com atenção plena, ao caminhar, alimentar-se ou lavar pratos. Na verdade, Mindfulness pode ser praticada à qualquer hora, no momento em que nossa atenção se volta intencionalmente para o presente.

Referências

Brown, K. W., & Ryan, R. M. (2003). The benefits of being present: Mindfulness and its role in psychological well-being. Journal of Personality and Social Psychology, 84(4), 822-848.

Feldman, G., Greeson, J., & Senville, J. (2010). Differential effects of mindful breathing, progressive muscle relaxation, and loving-kindness meditation on decentering and negative reactions to repetitive thoughts. Behaviour Research and Therapy, 48, 1002–

Hayes, S. C., Follette, V., & Linehan, M. M. (Eds.). (2004). Mindfulness and acceptance: expanding the cognitive-behavioral tradition. New York: Guilford. 1011.

Hayes, S. C., Follette, V., & Linehan, M. M. (Eds.). (2004). Mindfulness and acceptance: expanding the cognitive-behavioral tradition. New York: Guilford.

Huppert, F. A., & Johnson, D. M. (2010). A controlled trial of mindfulness training in schools: The importance of practice for an impact on well-being. The Journal of Positive Psychology, 5(4), 264-274.

Teasdale, J.D., Segal, Z.V., Williams, J.M.G., Ridgeway, V., Soulsby, J., & Lau, M. (2000). Prevention of relapse/recurrence in major depression by mindfulness-based cognitive therapy.Journal of Consulting and Clinical Psychology, 68, 615-623.

Kabat-Zinn, J., Massion, A. O., Kristeller, J., Peterson, L. G., Fletcher, K. E., Pbert, L., et al. (1992). Effectiveness of a meditation-based stress reduction program in the treatment of anxiety disorders. Am J Psychiatry, 149(7), 936-943.

Kabat-Zinn, Jon. (2006) Coming to Our Senses: Healing Ourselves and the World Through Mindfulness. New York: Hyperion.

Última atualização em Dom, 26 de Julho de 2015 00:29