Psicologia Positiva nas Organizações
Escrito por Fábio Munhoz   

Em boa parte do mundo, a riqueza econômica cresce e aumentam os recursos materiais, mas em geral, o bem-estar emocional não.

Isso gera uma demanda por uma atenção maior ao bem-estar emocional, quer a nível pessoal, quer ao nível organizacional.

Existe uma tendência nas pessoas, e também nas organizações; dar maior ênfase aos problemas e falhas à serem reparadas.

Aplicar a Psicologia Positiva no campo organizacional pode estar na identificação e no cultivo dos pontos fortes das organizações e de seus colaboradores.

Isto não significa evitar a análise dos problemas e deficiências, mas sim lidar com eles numa perspectiva positiva e realista.

O objetivo é levar os indivíduos e as organizações a explorar e atingir o seu maior potencial.


Engajamento e satisfação no trabalho

O engajamento pleno do trabalhador em seu ambiente de trabalho é um problema mundial. Uma pesquisa de âmbito mundial mostrou que apenas 14% dos trabalhadores se sentem plenamente engajados nas empresas que trabalham.

O estudo realizado pela empresa de consultoria internacional em RH, a Towers Perrin, mostrou que muitas pessoas interessadas em contribuir mais no trabalho, são desmotivadas e desencorajadas pelo comportamento dos seus gestores e pela cultura de suas organizações.

A questão é como fazer com que a pessoa se sinta mais engajada em seu trabalho?

A resposta da psicologia positiva é que quando a pessoa usa suas forças e competências, ela se sente mais engajada, seu desempenho aumenta e ela fica com mais vigor e energia.

As pesquisas já demonstraram que quando as pessoas são consideradas mais pelas suas virtudes do que pelas fraquezas, elas são mais produtivas e geram maior lucratividade para a empresa.

O Dr. Donald Clifton em uma pesquisa na fundação Gallup mostrou que quando a pessoa não está fluindo no campo de suas forças pessoais ela está aproximadamente seis vezes menos engajada do que quem está usando ativamente as suas competências.

Quando a pessoa não usa suas habilidades naturais, aumentam as chances de:

* Não sentir motivação para ir ao trabalho.

* Se relacionar mal com os parceiros de equipe.

* Tratar mal os clientes da empresa.

* Dizer mal da empresa aos amigos.

* Produzir menos.

* Ser pouco criativo.

Fora do âmbito da organização, esta pessoa também está sujeita a mais problemas de saúde e dificuldades em relacionamentos.

Por outro lado, ao usar suas forças e talentos ativamente, os colaboradores aumentam a auto-confiança, a satisfação, a esperança e a gentileza para com os colegas de trabalho.

Referências:

Livro: Strengths Finder 2.0 – Tom Rath. 2007. Gallup Press.

Site: www.gallup.com

 



Última atualização em Qua, 07 de Maio de 2014 23:26